nossas notícias

Escritório de Arquitetura e Urbanismo do UNIFATEA destaca-se na realização de projeto sociais
Objetivo é viabilizar, de fato, a realização de projetos que atendam a comunidade

Criado para ser uma extensão prática do curso de Arquitetura e Urbanismo, o Escritório Modelo (EMAU) do Centro Universitário Teresa D’Ávila (UNIFATEA), fundado em 2011 tem o objetivo de viabilizar a produção de projetos arquitetônicos internos e externos com os graduandos, não somente na concepção de projetos fictícios ligados às teorias dadas em sala de aula, mas, de fato, a realização dos projetos que atendam a comunidade, sendo um verdadeiro protótipo de escritório profissional de arquitetura para os estudantes.

 

Além de gerar habilidades e competências profissionais, o Escritório Modelo atende, sobretudo, as comunidades mais carentes e também em projetos de instituições sem fins lucrativos. “Procuramos formar profissionais que sejam capazes de compreender e dar respostas às necessidades sociais, culturais, estéticas e econômicas de diferentes comunidades”, explica a Pró-Reitora Acadêmica, Prof. Drª Luciani Alvareli, que exalta a profissionalização e experiência que os projetos executados contém na formação acadêmica-profissional da instituição.

 

Para a Pró-Reitora, “O EMAU é um projeto de extensão universitária, fundamentado na busca pela contribuição para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Nesse sentido, este é mais um projeto que requer a harmonização entre ensino, pesquisa e extensão em que toda a comunidade acadêmica é provocada a participar e colaborar”.

 

Todo o trabalho é feito em nível de estudo preliminar, de modo que, a execução do projeto é de responsabilidade da entidade ou da empresa que irá contar com o auxílio de outros profissionais.

 

De acordo com o coordenador, Prof. Dr. José Ricardo Flores Faria, “outras demandas chegam até o escritório também, principalmente a institucional, por exemplo, um estudo de acessibilidade ou estudo para alguma sala, demanda de algum curso”. Assim, todos os projetos, sejam eles institucionais ou sociais, são idealizados após as considerações das necessidades do local.

 

Por pertencer a uma instituição e, principalmente, por ter um time composto por alunos em formação, o EMAU não atende demandas vindas a partir de projetos pessoais, como a execução de uma reforma de uma casa completa ou de um escritório Home Office, por exemplo, mantendo assim nos alunos o senso ético de respeitar os profissionais que estão no mercado de trabalho. Veja os atuais projetos feitos pelo EMAU:

 

Projeto Casa Real

 

O Projeto Casa Real, tem o objetivo de renovar as esperanças de uma família, reconstruir um lar digno e acolhedor para quem precisa. Assim, como é o caso da contemplada deste ano, a Dona Maria Aparecida, as condições de sua moradia estão em situação de precariedade.

 

“A escolha da família foi realizada por cinco alunos e dois professores do UNIFATEA, que compunham a organização da Casa Real, nomeado Grupo de Comissão”, explica o estagiário Igor Nixon, que ressalta os critérios que foram levados em conta, como a segurança e o conforto que essa família terá com a moradia nova.

 

De origem humilde, Dona Maria trabalha como catadora de reciclagem e é mãe de quatro filhos. Vivem numa casa pequena que não oferece um suporte adequado para a sobrevivência dessa família.

 

A casa de três cômodos, sala, cozinha e um quarto, está com problemas em sua infraestrutura em geral, que chega a balançar em dias de tempestade. Na cozinha não há instalação hidráulica e no banheiro não há ligação à rede de esgoto. O telhado da casa também está em mau estado, com buracos por onde cai água quando chove.

 

De acordo com as observações feitas, a nova casa a ser construída terá uma sala, dois quartos, cozinha e banheiro, que serão feitas por mão-de-obra contratada por uma empresa. A fase de finalização da obra será feita em grupos formados pelos alunos do 4º ano de Arquitetura e Urbanismo.

 

Projeto de Revitalização do Refeitório da Casa do Puríssimo Coração de Maria

 

Em Guaratinguetá, a Casa do Puríssimo Coração de Maria, possui um projeto chamado Casa do Coração, onde cerca de 126 crianças, em situação de vulnerabilidade social, são atendidas em formato de contra turno, ou seja, antes ou depois do turno escolar.

 

O local estudado para modificação foi o refeitório destinado às refeições das crianças que, por ser aberto, se tornou um problema nos dias chuvosos e com ventania O principal intuito do projeto, é tornar esse local mais aconchegante e também confortável para as os frequentadores do espaço. 

 

De acordo com o coordenador responsável, Germano Voigtel, “é importante as crianças verem o quanto de coisas que são feitas por elas, se sentirão cidadãos mais ativos e mostra que eles fazem parte de toda essa organização”.

 

Atualmente, a Casa do Puríssimo Coração mantém sete atividades que integram oficinas de participação social e oficina de formação humana, além de atividades ligadas a danças e jogos, assim, atendendo das 8h às 16h30. Por isso, há bastante interesse para que esse projeto aconteça, pois será uma chance de mostrar toda a integração entre as unidades salesianas. 

 

Projeto Integrador em parceria com a TEKNO

 

O Escritório Modelo, junto ao Projeto Integrador do curso de Arquitetura e Urbanismo, auxiliou na criação de um novo layout para dois laboratórios na empresa TEKNO, situada na cidade de Guaratinguetá. Estes laboratórios, conhecidos como LTE – Laboratório de Testes Especiais, são destinados a testes e recepção de visitantes importantes.

 

De acordo com um dos alunos responsáveis, Luiz Felipe Corrêa, as principais etapas desse projeto foram os esboços feitos pelo coordenador e sua organização em um aplicativo para computadores. “O coordenador fez o croqui (esboço arquitetônico de projetos) em cima da coleta de dados que foi realizada e eu organizei no programa. Assim, entregando na última semana de aulas para a revisão e pontuação”, comenta o estudante.

 

Após a entrega dos esboços feitos por Luiz Felipe, a turma do 5º período de Arquitetura e Urbanismo apresentou seus projetos para os laboratórios LTE da TEKNO. Por ser uma apresentação de ideias para o projeto arquitetônico, não há um compromisso de execução. O grupo de Igor Nixon, Daniel Amaral, Karen Bastos, Eleomar Barbosa e Stephanie Oliveira, teve seu projeto escolhido por dois representantes da empresa que vieram avaliar os trabalhos feitos pela turma.

 

Para saber mais sobre o curso de Arquitetura e Urbanismo da Unifatea, clique aqui

 

Fonte: Assessoria de Comunicação - UNIFATEA