nossas notícias

FSMA: aluna de Psicologia tem artigo publicado em revista
Fonte: Moira Paula. Foto: Paolla Itagiba.

A graduanda do curso de Psicologia da Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora (FSMA) de Macaé-RJ, Ilana Cortes, teve seu artigo publicado na Revista “Psicanálise e Barroco”. Sob a orientação da professora de Psicologia, psicanalista e doutora em Memória Social, Nilda Sirelli, o artigo “A Criança e o luto: a vivência da morte na infância”, é fruto da disciplina de Iniciação Científica.

 

"A Ilana me procurou com o intuito de produzir este artigo, de interesse dela, que foi apresentado antes em um congresso. Ao final do primeiro ano da Iniciação Cientifica, nós começamos a procurar uma publicação na área de estudo do artigo e então veio a oportunidade na “Psicanálise e Barroco”. Fizemos algumas tentativas, ajustamos o trabalho até que recebemos a aprovação”, explicou a professora Nilda.

 

A autora do artigo, Ilana Cortes, revelou que o tema surgiu a partir de uma experiência de luto infantil próxima de sua vivência, o que lhe trouxe curiosidade de entender melhor esse processo, suas consequências na vida da criança e de quem está envolvido no processo pós-morte. “É uma leitura difícil, demanda tempo e dedicação e ainda tem muito a se fazer. O estudo documental desse tema vai ser foco do meu trabalho de conclusão de curso, e também servirá como experiência para a minha futura vivência profissional”, disse, completando que foi muito bem orientada e apoiada pela Universidade.

 

“É um orgulho para nós da Faculdade Salesiana. É muito difícil um aluno de graduação conseguir publicação em uma revista conceituada, isso normalmente acontece com estudantes de mestrado e doutorado, o que significa que foi gerado um material de grande qualidade. Esse artigo demonstra que a área de Pesquisa está no caminho certo, com professores qualificados e alunos interessados e dedicados”, frisou o coordenador de Pesquisa e Extensão da FSMA, Hans Schmidt.

 

O artigo aborda os possíveis efeitos da morte para uma criança, nos fazendo refletir sobre uma série de situações. Com o trabalho, compreende-se que o luto é uma produção árdua de retorno aos traços que ligam o sujeito a um determinado objeto/pessoa. Contudo, o estudo mostra também que o luto não é uma reação automática diante da perda, ele pode não acontecer e, inclusive, ser dificultado por estratégias como o silenciamento diante da morte, como a omissão do fato para a criança. E o luto não vivido pode produzir ainda mais sofrimento, além de sintomas como: depressões, fobias e falta de investimento em si e na vida.